23 outubro 2011

Eu de mim



Eu de mim sempre faço ser igual e diferente, carente sem querer,
Vivo hoje, acordo ontem, sou cada entardecer!
Respondo olhar, falo pensamento, ouço cada intento?
Secreto cores, espalho amores...

Eu de mim espero tudo e nada, risada e bem saber,
Excito vida, procuro aflita, o samba a me envolver!
Viajo calado, grito abafado, felicidade que há em algum dentro meu
Reflito dores, relato flores...

Eu de mim sempre coro de prazer por viver!
Esqueço lembrando, lembro de esquecer, acordo em cada amanhecer...
Fico parado, contemplo momentos, disfarço alentos?
Troco calores, mantenho vigores... e amo os amores!

(por Jôze Paiva)

5 comentários:

  1. Eu de mim, as vezes nem sei...

    ResponderExcluir
  2. Oi, encantador o teu poema.
    "Troco calores...e amo os amores!*"
    *Eu sempre coro de prazer, sensualíssimo,...
    Te aplaudo, é belo o que escreveste.
    Continue assim, esperando tudo de você, esqueça o "nada.
    bjussss
    Mery*

    ResponderExcluir
  3. Olá Jôze,
    Faço minhas as palavras de Mery.
    Adorei seu poema. Como ela, aplaudo também tua
    sensibilidade para escrever como escreves.
    Um grande beijo, amiga.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  4. liindo texto! *--* amei muito!

    beijos

    http://uzeabuze.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Meninas, esses são marcos essenciais que fazem de mim o que sou. Os calores e amores da vida que sensibilizam e permitem transmitir um pouquinho o eu de mim que também é tu, ele, elas...
    Beijo grande a vocês!

    ResponderExcluir